Família Hylidae

Dendropsophus rubicundulus

(Reinhardt & Lutken, 1862)

Perereca-de-lagoa-santa

Endêmico do Cerrado Muito comum
Campos
Cerrado
Áreas Antrópicas
Ocorrência
Jan
Fev
Mar
Abr
Mai
Jun
Jul
Ago
Set
Out
Nov
Dez

Dendropsophus rubicundulus

(Reinhardt & Lutken, 1862)

Perereca-de-lagoa-santa

Endêmico do Cerrado Muito comum

Dendropsophus rubicundulus

(Reinhardt & Lutken, 1862)

Perereca-de-lagoa-santa

Endêmico do Cerrado Muito comum
Campos
Cerrado
Áreas Antrópicas
Ocorrência
Jan
Fev
Mar
Abr
Mai
Jun
Jul
Ago
Set
Out
Nov
Dez

Essa espécie possui uma coloração esverdeada no dorso e tem um tamanho bem pequeno. É uma espécie insetívora que utiliza poças permanentes ou temporárias, naturais ou artificiais em áreas abertas do bioma Cerrado, Caatinga e Chaco. É comum encontrar machos vocalizando em gramíneas e arbustos, próximos à poços em áreas antropizadas, apresentando tolerância a perturbações no ambiente. D. rubicundulus possui uma ampla distribuição no Brasil central e também no Cerrado e, devido à sua ampla distribuição sendo encontrado em várias estados, ele não está ameaçado de extinção. Habita no Cerrado bordas de mata e áreas abertas com vegetação herbácea perto de lagoas permanentes e temporárias e perto da vegetação de pastagens. Pode ser encontrada com mais facilidade na época chuvosa, de outubro a janeiro. Os machos cantam no início da noite (das 19:00 às 21:00) da vegetação herbácea, em ramos ou folhas (geralmente 40-50 cm acima do solo), perto de lagoas temporárias e permanentes. O amplexo1 é axilar (abraço) e o desenvolvimento dura cerca de 30 dias.

Diagnose

Possui coloração dorsal verde claro, escuro até amarronzado, duas faixas laterais de coloração amarronzada iniciando da ponta do focinho, passando pelo meio dos olhos e chegando até a região sacral. A região abaixo destas faixas possui coloração amarronzada mais clara que as faixas laterais. Focinho arredondado.

Anfíbios dos Veadeiros

  • Anfíbios dos Veadeiros

Um projeto batráquio!