Família Hylidae

Scinax rogerioi

(Pugliese, Baêta & Pombal, 2009)

Perereca

Endêmico do Cerrado Pouco comum
Campos
Ocorrência
Jan
Fev
Mar
Abr
Mai
Jun
Jul
Ago
Set
Out
Nov
Dez

Scinax rogerioi

(Pugliese, Baêta & Pombal, 2009)

Perereca

Endêmico do Cerrado Pouco comum

Scinax rogerioi

(Pugliese, Baêta & Pombal, 2009)

Perereca

Endêmico do Cerrado Pouco comum
Campos
Ocorrência
Jan
Fev
Mar
Abr
Mai
Jun
Jul
Ago
Set
Out
Nov
Dez

É uma espécie de médio porte e corpo moderadamente robusto. É noturna e associada à fitofisionomia de campo rupestre. Utiliza gramíneas e arbustos marginais de lagos temporários, situados em altitudes acima de 900 metros. Se reproduz de forma explosiva após as primeiras chuvas de outono em setembro a outubro. Os machos cantam na vegetação baixa (gramíneas e arbustos) a alguns centímetros acima da água ou do solo, das bromélias, das rochas ou às vezes do solo perto da lagoa de reprodução. Possui uma distribuição mais restrita, associada às serras e chapadas dos estados de Goiás e Minas Gerais. No Distrito Federal, foi registrada na Fazenda Água Limpa (FAL/UnB), se tornando endêmico do Cerrado. Não é tolerante às mudanças ambientais abruptas naturais e nem às ações antrópicas como o avanço das fronteiras agropecuárias e fragmentação de habitats.

Diagnose

A coloração dorsal de fundo pode variar do amarelo esverdeado ao cinza esverdeado, com faixas irregulares longitudinais de cor marrom, que vão desde a cabeça até região inguinal. A região posterior da coxa apresenta variações de barras transversais e manchas irregulares de cor marrom. Possui braços esguios e pernas robustas e as membranas interdigitais são ausentes nas mãos e visíveis nos artelhos, com discos digitais desenvolvidos.

Anfíbios dos Veadeiros

  • Anfíbios dos Veadeiros

Um projeto batráquio!